terça-feira, 2 de dezembro de 2008

"Em todas as tuas obras, lembra-te dos teus novíssimos, e jamais pecarás" (Ecl. 7, 40)

Há algum tempo atrás conversei com alguns amigos sobre a questão do céu, purgatório e inferno. Uma dessas pessoas (de tendência à seita dos adventistas) duvidava da existência dos mesmos. Gostaria de ressaltar que esta postagem foi motivada por um email que recebi de um amigo, comentando a cerca da história da Igreja. A mensagem continha a seguinte afirmação dita por alguém: "a Igreja de antigamente pregava ameaçando o inferno às pessoas. E elas se convertiam por medo".

Então, resolvi pesquisar melhor e ver o que a Igreja afirma sobre esses assuntos, pois pelo que aprendi (nos estudos e diálogos dos últimos anos) apenas a Igreja Católica tem autoridade para falar acerca de Deus e da Verdade sem cair em erro. Autoridade esta dada pelo próprio Jesus Cristo (Mt16,18-19).

No catecismo da Igreja Católica mais precisamente na parte que fala sobre a vida eterna. Está expresso claramente a existência de: juízo particular, Céu, Inferno, Purgatório e juízo final (universal). Recomendo a leitura...

Se formos observar a História veremos uma mudança de postura dos filhos da Igreja (note-se que não falo propriamente da Santa Igreja mas daqueles que compõem seu corpo visível - padres, leigos...). De forma geral, antigamente dava-se mais ênfase ao Inferno e agora prega-se mais sobre o Céu (é óbvio que há exceções por isso o "de forma geral"). Entretanto, acredito que nenhuma das duas opçoes é suficiente, devemos falar sempre sobre Céu e Inferno (de forma equilibrada) visto que os dois podem ser considerados consequência de uma realidade terrestre.

Através dos exercícios espirituais de Sto Inácio percebemos a importância de combater o pecado que está presente em todos (nós mesmos, nos outros, nos grupos em que convivemos, na sociedade...), aprendemos a contemplar toda a vida de Cristo e a desejar vivenciá-la. Podemos dizer que no processo dos exercícios sofremos com Cristo a sua Paixão e morte. Mas não acaba aí... posto que Ele ressuscita. Então, os mesmos exercícios também nos ajudam a viver a experiência ressurreição de Cristo e a experimentar (através de nossas ações e da Igreja) o paraíso.

Então, julgo importante falar sobre o inferno à medida que ele é oposto ao Céu, ou melhor, é importante falar sobre aquilo que te leva ao inferno como sendo aquilo que te afasta de Deus (que é a pura realidade). Pois o Céu é o estar eternamente com Deus e o Inferno é "a eterna separação de Deus, o único em quem o homem encontra a vida e a felicidade para que foi criado, e a que aspira" - CIC Compendio n. 212).

um forte abraço.

Nenhum comentário: