sexta-feira, 29 de agosto de 2008

O CIBERESPAÇO E O FUTURO DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS (parte 1)

O CIBERESPAÇO E O FUTURO DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS


Gabriel de Souza Leitão
gabriel dot leitao at gmail.com


Engenharia da Computação
Universidade Federal do Amazonas - UFAM


Abstract - This article presents basic concepts referring to the interactions man-man and man-machine from the advent of the virtual world and to analyze the contribution of these relations for the future of the humanity.

Keywords: cyberspace, virtual reality, artificial intelligence.

Resumo – Este artigo tem como finalidade apresentar conceitos básicos referentes às interações homem-homem e homem-máquina a partir do advento do mundo virtual e fazer uma análise da contribuição dessas relações para o futuro da humanidade.

Palavras-chave: ciberespaço, realidade virtual, inteligência artificial.

I. INTRODUÇÃO

Podemos constatar através da simples observação do ambiente em que vivemos que estamos em uma época onde o ultrapassado e o novíssimo[1] convivem, onde novos valores são criados e antigas crenças e símbolos são mantidos ou atualizados e re-assimilados. Nunca os meios de comunicação foram tão eficientes a ponto de transmitir notícias simultaneamente ao momento em que elas ocorrem. Em meio à celeuma de informações e dúvidas que percorrem a mente do homem contemporâneo, existe uma novidade que está alterando profundamente a forma como encaramos o mundo, ou melhor, a maneira como interagimos com as outras pessoas. Imagine um mundo sem fronteiras, um lugar onde você pode conhecer pessoas que estão a quilômetros de distância, ou reencontrar parentes e amigos a muito não contatados. Este lugar existe, e se chama ciberespaço.

O primeiro a utilizar o termo ciberespaço foi o escritor William Gibson em sua obra “Neuromancer”, de onde podemos identificar o ciberespaço como um meio onde as informações e as relações trafegam indiscriminadamente, porém, esse meio não é um espaço físico ou material, ele é como uma “alucinação consensual” onde todos podemos interagir[GIBS91].

Estruturalmente, ou melhor, fisicamente podemos afirmar que o ciberespaço é formado a partir do momento em que as pessoas presentes em pontos distintos do planeta começam a se comunicar. Essa comunicação se dará através dispositivos que possibilitem a extensão e aprimoramento de recursos puramente biológicos como a fala e a audição. Uma rede de computadores, ou ainda simplesmente a própria internet, vista a partir de uma definição mais abrangente constitui também o ciberespaço, pois é nesse meio que podemos identificar grupos e indivíduos interagindo uns com os outros de acordo com afinidades de idéias, crenças e etc [LEMO02].

Nesse contexto, cria-se uma realidade paralela a que vivemos, um mundo virtual que depende, afeta e complementa o mundo físico na medida em que ele se torna incapaz de satisfazer a necessidade básica humana de interação, e transmissão de informações com rapidez e qualidades ímpar. Devido à facilidade de acesso ao mesmo e à informação contida nele, o ciberespaço vem ganhando cada vez mais destaque e importância, prova disso é o numero crescente de pessoas que se comunicam através do e-mail[2], de listas ou fóruns de discussão que são criados a fim de se tratarem temas que vão de negócios e desenvolvimento científico a religião e culinária.

Surgem então questionamentos inerentes ao comportamento do homem a essas mudanças bruscas, ou melhor, como o homem reagirá a um mundo digitalizado e informatizado? Ele dominará o mundo virtual ou se deixará ser dominado por ele? O Ciberespaço se expandirá e substituirá as estruturas de informação existentes ou continuará apenas complementando-as? São questões como essas que tentaremos solucionar ou ao menos discorrer ao longo desse trabalho.


Notas:
[1] - tecnologias (computadores e dispositivos inventados a pouco tempo) e idéias novas são postas contra ou de forma paralela a recursos há muito tempo utilizados (imprensa escrita, temas religiosos).

[2] - do inglês, correio eletrônico.

Nenhum comentário: