terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

85 PERGUNTAS E RESPOSTAS (parte 2)

11. Que livros não são achados na Bíblia protestante?

Eles são Tobias, Judite, Sabedoria, Eclesiástico, Baruc e os dois Livros de Macabeus, junto com fragmentos de Ester (10:4; 16:24), e Daniel (3:24-90; 13; 14). Estes livros foram contidos na Lista alexandrina ou o Cânon dos Livros que foram usados pelos judeus de fala grega de Alexandria, Ásia Menor, Grécia e Itália.

12. Bem, pode ser que o clero sabia das Escrituras mas o povo não.

A declaração comum é que ela era fechada às pessoas comuns porque só estava escrita em latim. O dr. Maitland declarou que todo escrito civil e histórico, como também religiosos, estavam saturados com da Escritura quando ele diz dos escritores da idade média: "eles pensaram, falaram e escreveram pensamentos e frases das Escrituras...não só em obras teológicas ou eclesiásticas, mas em histórias, biografias, cartas familiares, instrumentos legais, e documentos de toda descrição. " Quantos advogados, doutores, professores, e pessoas de hoje citam as Escrituras? Nós temos milhões de cópias da Bíblia e eles a Bíblia comum do monastério ou igreja de paróquia. A Igreja católica teve que fazer o melhor que ela pôde nesses dias antes da descoberta da impressão e ela fez um trabalho maravilhoso. Muitas pessoas não podiam ler e a Igreja não pode ser culpada disso. O latim não era um idioma morto, mas o idioma universal de todos os que podiam ler. Para quem não podia ler, a Igreja teve o meio da arte, escultura, Peças de Paixão e Milagre, para ensinar as pessoas os conteúdos da doutrina Cristã. A evidência tirada pelo estudioso protestante, Dr. Maitland, mostra a mentira desses que dizem que a Igreja menosprezou, escondeu e desonrou a Bíblia.

13. Em sua Igreja vocês fazem bastante coisa para encorajar os católicos a lerem a Bíblia?

A Igreja está tentando fazer os católicos lerem e estudar a Bíblia lhes concedendo indulgências por assim fazer. Em uma página na frente do VT ou então na frente do NT você achará impresso estas palavras, "é concedida uma indulgência de 300 dias a todo o crente que ler um QUARTO DE UMA HORA pelo menos os Santos Evangelhos. É concedida uma indulgência plenária sob as condições habituais uma vez por mês para a leitura diária." Certamente, isto não parece como se a Igreja estivesse se esforçando para para manter a Bíblia das mãos das pessoas.

14. As pessoas estavam familiarizadas com a Bíblia na idade média?

A idade das trevas não foram de trevas mas foram IDADES DE FÉ. Os protestantes têm a falsa noção em geral que do oitavo para o décimo quinto século, os séculos foram as eras de ignorância, opressão, superstição e tudo isso. Pensava-seque as pessoas daquela época eram analfabetas, imorais, selvagens e em luta direta com bárbaros. Tudo isso foi atribuído ao julgo de Roma que mantinha as pessoas na ignorância. A luz da reforma brilhou essa escuridão e deu a luz da liberdade àos europeus. Não. A era das trevas foram eras cheia de luz em comparação com os 400 anos que o protestantismo trouxe ao mundo, que foi deformado ao invés de reformado.

Dois séculos agora os escritores podem chamar o nosso vigésimo século de século da injustiça, miséria, amor livre, debocheira, banditismo, embriaguez, desonestidade, imoralidade, incredulidade, etc., comparado com a era das trevas, que pode-se chamar era sagrada. A era das trevas construíram as magníficas catedrais e abadias cuja arquitetura não foi rivalizada por qualquer gênio arquitetônico do vigésimo século de progresso e alta educação. Veja o terrível contraste entre as pinturas de nosso século e os da idade das trevas. Nossas universidades produzem filosofia como de pensadores como são Tomás de Aquino e são Boaventura, Alberto Magno, Scotus e Bacon? Tem esta idade um sistema escolástico que é melhor que a dos escolásticos, cujo método de aprendizagem e pensar está agora sendo imitado em nossas universidades depois de anos de se desviar da verdadeira educação? Uma idade que produziu sociólogos como Francisco Xavier, Francisco de Assis, Ignácio de Loyola e outros não pôde ser intelectualmente escura e estericamente bíblica. O ensino prático que as pessoas dessa chamada Era das Trevas receberam dos padres e monges na igreja e escola era de um valor moral e intelectual muito maiores que nossa mocidade está tendo hoje. O medievalistas tiveram o conhecimento de Deus em suas almas e por isso o estudioso protestante, dr. Maitland, elogia tanto a Era das Trevas. Seu livro sobre a Era das Trevas mostra que foi a idade média uma era fechada aos protestantes. Seus estudos imparciais mostram os tesouros dessa época. Na pág. 469 de seu livro "Dark Ages" (Era das Trevas) ele escreve: "O fato é. . . os escritos da Era das Trevas são, se eu posso usar a expressão, feitos das Escrituras". Outro historiador protestante diz, "a noção que a leitura da Bíblia era vista com desagrado pelas autoridades eclesiásticas daquela idade é bastante infundada". Prova é bastante abundante que a Igreja fez amplo uso da Bíblia instruindo as pessoas antes da Reforma. A Missa é quase feita toda da Escritura e em toda Missa era comum ler uma parte das Escrituras e explicá-la às pessoas. Pedia-se às pessoas que se mantivessem em respeito enquanto o Evangelho era lido a elas. Os sermões da idade média eram mais cheios de citações bíblicas que os púlpitos de hoje. O Ofício Divino ou o breviário ditos cada dia pelos padres eram feitos da Bíblia. O rosário era outra Bíblia nas mãos das pessoas pois esta religiosa devoção ensinou aos católicos a meditar nos mistérios bíblicos. Os fundamentos do NT eram meditados enquanto o rosário era rezado. Antes de vir a Bíblia impressa, a Igreja ensinava as pessoas com peças de Paixão e Milagre. Se a Igreja manteve a Bíblia das pessoas, como se explica o alto conhecimento das Escrituras por Chaucer, Dante, Shakespeare e outros autores cristãos? Como se explica a declaração de Ruskin que as paredes de são Marcos em Veneza eram a Bíblia do homem pobre? Como Michelangelo, Murillo, Rafael e outros escultores católicos e artistas poderiam retratar na tela e em pedra cenas bíblicas se a Igreja mantivesse a Bíblia das pessoas?

15. O clero da Idade das Trevas era ignorante da Bíblia?

Eles tinham um conhecimento profundo da Bíblia, pois os bispos e abades requeriam de todos seus padres o entendimento das Escrituras. Nas velhas Constituições de diferentes dioceses vemos que o clero foi obrigado a saber os Salmos, as Epístolas, e Evangelhos. O Concílio de Toledo, 835, emitiu um decreto que pedia aos bispos que pesquisassem nas dioceses se o clero estava bem instruído nas Escrituras. A história documenta, como o dr. Maitland mostra, que os padres e bispos tinham as Escrituras em seus lábios. Os abades liam todo o VT e NT do princípio ao fim todos os anos, e eles liam as Escrituras diariamente durante as refeições nos monastérios. Os sermões de hoje são sem valor porque eles são iguais a redes de pesca sem peixe, mas os sermões da idade média eram inestimáveis porque eram iguais a redes cheias de peixe, porque eram cheias de citações bíblicas. É uma lenda que dizem que Martinho Lutero descobriu por acaso as Escrituras, um livro que, como monge, ele conhecia e estudou por anos! Nenhum pastor moderno pode se igualar a um padre da idade média em conhecimento da Palavra de Deus.

16. Martinho Lutero foi o primeiro a traduzir a Bíblia para a língua das pessoas?

Não. A Bíblia tinha sido traduzida em espanhol, italiano, dinamarquês, francês, norueguês, polonês, boêmio e húngaro antes que Martinho Lutero distribuísse sua Bíblia luterana. Setecentos anos antes do nascimento de Lutero nós já tínhamos uma tradução inglesa. No fim do sétimo século nós já tínhamos na língua inglesa a obra de Caedmon, monge de Whitby. No próximo século nós tivemos a famosa tradução do venerável Bede, monge de Jarrow. O Prefácio da Versão Autorizada se refere a traduções anteriores das Escrituras na língua das pessoas depois de falar das versões gregas e latinas, diz, "O religioso instruído não estava satisfeito em ter as Escrituras só nas línguas que eles entendiam, o grego e latim. . . mas queriam que elas estivessem ao alcance das pessoas comuns, para o conhecimento e edificação dos que tinham fome e sede, e que podia salvar vidas como eles. Eles deram traduções na língua vulgar de seus compatriotas, o que fez com que muitas nações debaixo do céu fossem convertidas por ouvirem de Cristo em sua língua original, não pela só voz de seu ministro mas também pela palavra escrita traduzida."

17. Quando a Bíblia de Lutero saiu?

Veio em 1520 e antes que a Bíblia dele aparecesse havia 104 edições da Bíblia em latim; havia 9 antes do nascimento de Lutero em alemão, e havia 27 em alemão antes da Bíblia luterana aparecer. Antes da Bíblia protestante aparecer já havia na Itália mais de 40 edições e 25 destas estavam na língua italiano com a permissão expressa de Roma. Na França havia 18 edições antes de 1547. A Espanha começou suas edições em 1478. Ao todo, 626 edições da Bíblia com 198 na língua das pessoas, tinham sido editadas antes da primeira Bíblia protestante aparecer no mundo. Com todas essas evidências por que esses intelectuais declaram que a Igreja menosprezou a Bíblia? Isto mostra um testemunho que a Igreja lutou para preservá-la, traduzir, e multiplicar. Ela salvou a Bíblia da destruição absoluta nas mãos dos infiéis; ela salvou a Bíblia da extinção total a guardando como o maior tesouro de todas as eras.

18. Por que a Igreja manteve a Bíblia em latim até que a Reforma desse para as pessoas a Bíblia no vernáculo?

A idéia comum é que a Igreja manteve a Bíblia em latim de forma que as pessoas não podiam lê-la, e assim não deixar que elas descobrissem a verdade. Que ninguém podia ler a Bíblia mas só os padres é tolice. Havia duas classes de pessoas na idade média: as que podiam ler e quem não podia ler. Os que podiam ler liam em latim e estavam bem felizes com a Bíblia em latim e os que não podiam ler o latim não podiam ler. Assim, por que a igreja daquela época deveria traduzir a Bíblia apra a linguagem das pessoas? O latim era a linguagem de todos os homens cultos e o idioma da Europa. Conseqüentemente, o latim não era um idioma morto mas vivo. Se a Igreja desejasse manter a Bíblia então das pessoas por que a Igreja traduziu a Bíblia do grego ao latim no séc. IV, chamando a vulgata de "Bíblia das Pessoas"?

19. A Igreja católica queimou todas as Bíblias, e castigou quem tinha cópias?

Não. A Igreja católica teria sido muito estúpida por fazer cópias pelos monges e freiras para depois as destruir. Ela queimou Bíblias que foram falsificações da Bíblia, como a de Coverdale, Tyndale, e as Bíblias de Wycliffe. Quando a imprensa foi inventada pelo católico alemão Gutenberg o primeiro livro a ser impresso no mundo foi a Bíblia e isso foi em 1445, 80 anos antes que o protestantismo fosse ouvido.

20. Mas a igreja católica não diz que as sociedade bíblicas são perigosas à sociedade?

Ela condena o princípio que não se deve comercializar a Bíblia com a idéia de que elas podem ler a Bíblia sem a compreensão da Igreja. As religiões fanáticas mais selvagens na América surgiram da teoria do julgamento privado ou interpretação da Escritura, e se não é perigoso ao cristianismo ter uma nova igreja cristã surgindo a cada 10 anos de alguma leitura de um texto isolado, o que é perigoso? O fato que 60 milhões ou mais de americanos não têm nenhuma afiliação de igreja hoje é devido a leituras impulsivas da Bíblia. Recentemente na cidade de Chicago os jornais fizeram uma pesquisa sobre a freqüência da igreja aos domingos. O resultado mostrou que 85 por cento dos devotos de domingo entraram em Igrejas católicas e os outros 15 por cento iam em Igrejas protestantes e sinagogas judias. Conseqüentemente, a multiplicação de sociedades de Bíblia cria agnosticismo, indiferentismo, pois a verdade não pode ser dividida.

(continua)

Nenhum comentário: